74981_1028832057159678_5843808930015285880_n

Ok, o Lula virou ministro, mas qual a importância das questões políticas atuais?

Nenhuma.

Pelo menos não do jeito que estamos Re-agindo aos fatos.

Primeiro porque o povo brasileiro não acordou. Ele reage como um cãozinho que vai buscar por um galho arremessado.

Enxergamos os políticos como os vilões que devemos combater de uma forma infantilizada – como se realmente existissem vilões e como se combater esse “crime” fosse a solução para todos os problemas. A verdade é que, internamente, as pessoas ainda enxergam o mundo como um grande faz de conta. Um desenho animado em que elas podem apenas assistir e comentar pelo lado de fora das telas.

O óbvio nunca é óbvio

Coloco-me no lugar do PT e tento imaginar quais as piores tomadas de decisões possíveis, as óbvias que eu nunca deveria tomar.

No caso de Lula, com certeza seria me tornar ministro, assumindo assim a minha culpa. No caso de Dilma, entrar em contato com o ex-presidente por celular para falar sobre assuntos importantes sigilosos, como se não houvessem outras pessoas para fazer o serviço, ou mesmo outros meios.

Quando vejo a situação atual, percebo que é tudo muito óbvio. Chega a ser uma tomada de ações muito imbecil para darmos crédito, algo que parece se tornar natural ultimamente.

Perceba: todas as últimas ações importantes foram feitas enquanto o povo gastava todas as suas energias reagindo à algo, como uma PEC ou alguma lei anti-mulher-gays-e-etc. Enquanto havia força popular para bloquear estas questões, os salários dos deputados aumentavam junto com as palhaçadas do planalto. Enquanto as pessoas prestam atenção no PT, outros partidos saem impunes.

Não estou me colocando como defensor do PT, de forma alguma. A questão é perceber que o jogo da política e do poder é muito maior do que o povo imagina. Na verdade, as pessoas só fazem o papel de bobas tentando participar da forma como tem acontecido.

Minha crença atual é de que não haja oposição, mas sim um domínio unificado em suas raízes. O PT é um caricato de um governo estúpido, cuja presidente não consegue sequer responder uma simples pergunta. Não apenas isso, repare como ela sempre tenta aparecer em público para piorar as situações. Para a direita, cria-se então um vilão vermelho e o mesmo acontece do outro lado. Temos Bolsonaros e Felicianos que falam coisas inacreditáveis e criam leis absurdamente óbvias como iscas de atenção para a esquerda. Basta reparar.

E, ainda que não haja conspiração, o fato é que o povo continua reagindo aos estímulos de cima ao invés de agir e tomar iniciativas reais.

Infelizmente é um jogo de poder que irá sempre cativar as maiorias dentro das regras desse sistema, motivo pelo qual não mais me envolvo politicamente em nada.

Mas a história nunca foi feita por maiorias. Ao invés de perder seu tempo reagindo negativamente e olhando o podre, que tal criar uma realidade mais bela? Vamos criar a minoria transformadora e ativa!

Imagine se todas as pessoas utilizassem a mesma energia para caçar e corrigir, nelas mesmas, tudo o que há de mais corrupto. Imagine se percebêssemos que dentro de cada um existe um ladrão ministrando o próprio Ego.

E não é só a correção que faz a mudança. É a auto-responsabilidade pelo mundo que nos cerca. A democracia é o poder do povo, mas não se resume em votar e depender de governantes. A responsabilidade social deve fazer parte de todas as pessoas e o que precisamos hoje são bons exemplos. Sejamos os primeiros então.


Tendo chegado até aqui, ou você odiou ou gostou do texto. Em ambos os casos, não deixe de participar ativamente através de opiniões ou compartilhando aquilo que lhe agrada. Se foi útil para você, também pode ser aos outros. A maturidade de uma ideia se faz em grupo e de forma colaborativa!

 

Sobre o autor - Ryo Matsuno

Escritor e Estrategista em Desenvolvimento Pessoal, criador dos sites AltoConhecimento.com e TeoriaDoViver.com.br . Músico nas horas vagas e pseudo empreendedor, seu hobbie é dominar o mundo.

Increva-se para obter conteúdo exclusivo e e-books gratuitos!

  • eriakemi

    Pois é! Se o que está fora é como o que está dentro, então… se existe corrupção aí fora é porque também existe corrupção dentro de mim. Faz muito mais sentido eu assumir minhas responsabilidades e mudar o que está no meu domínio do que ficar de mimimi culpando todo mundo. É muito ódio no coração da galera, haha!

    • Ryo Matsuno

      Exato Erika! =)